Trigésimo Primeiro Encontro do Guru-SP

Sábado, 14 de Setembro de 2013 às 09:25 hs

Garoa Hacker Clube, Rua Costa Carvalho, 567, São Paulo

Descrição

Contamos com a presença ilustre de Vinícius Baggio Fuentes, direto de San Francisco.

Dessa vez estivemos no Garoa Hacker Clube, um laboratório comunitário próximo a estação de metrô Pinheiros (linha amarela). Nosso encontro teve o patrocínio da Casa do Código para o coffee-break, além do sorteio de alguns ebooks.

Esse encontro teve 5 palestras. Os vídeos serão disponibilizados em breve.

Veja quem confirmou presença nesse encontro pela AgendaTech

Quer apresentar algo? Faça sua proposta pelo Call4Paperz

Palestras

Javascript Assíncrono

Vinícius Baggio Fuentes @vinibaggio

Um pouco sobre Javascript assíncrono: futures e promises

Usando o Bower

Nando Vieira @fnando

Como você lida com as dependências de seu frontend? Se você não faz isso de uma maneira automatizada, está perdendo tempo. Veja como o Bower pode ajudá-lo a manter as dependências de interface sobre controle sem muito esforço.

Continuous Delivery com Jenkins e Watir

Guilherme Nogueira

Você vai ver como saímos de um deploy Big-Bang por semana para um processo de Continuous Delivery com vários deploys por dia. O foco será em nosso processo de aceitação, que evoluiu de uma pequena suíte de Selenium para uma suíte de mais de 200 casos de teste escritos com Watir e RSpec que rodam em 5 minutos num cluster Jenkins.

Desconstruindo um PaaS como o Heroku

Roger Leite @rogerleite

http://www.slideshare.net/rogerleite14/paa-s-26212382

Uma visão detalhada de como funciona os sistemas distribuídos do projeto OpenRuko (https://github.com/openruko) um "Open Source Heroku Clone / Implementation". Um pouco sobre as siglas do Cloud, passado e presente, arquitetura, filosofias e boas práticas para o seu app ser "cloud like".

The Bleeding Edge

Maurício Szabo @mauricioszabo

Pensamentos pós-rubyconf: estamos pulando de cabeça em novas tecnologias e deixando de lado o legado? Estamos (ab)usando novas tecnologias quando poderiamos usar tecnologias já testadas e consolidadas, e que fazem a mesma coisa? Estamos criando um ecossistema que apenas programadores Ruby utilizam, e indiretamente (ou diretamente) dificultando ou inviabilizando softwares legados?

Fotos

Ver slideshow no Picasa